MIAMI DOLPHINS – OFFSEASON 2012

Logo Miami Dolphins Retro - Futebol Americano NFL Pick6

O que mudou:

  • Saiu: WR Brandon Marshall, DE/DT Phillip Merling, ILB Marvin Mitchell, CB Will Allen, SS Yeremiah Bell, DT Kendall Langford, FB Lex Hilliard, QB Chad Henne.
  • Continou: RB Steve Slaton, NT Paul Soliai, OT Lydon Murtha.
  • Chegou: WR Legedu Naanee, OLB Gary Guyton, QB David Garrard, OT Artis Hicks, DE/OLB Jamaal Westerman, CB Richard Marshall.
  • Draft 2012: QB Ryan Tannehill, OT Jonathan Martin, DE Olivier Vernon, TE Michael Egnew, RB Lamar Miller, DE/OLB Josh Kaddu, WR B.J. Cunningham, DE/DT Kheeston Randall, WR Rishard Matthews.

 

Análise:

Ryan Tannehill Miami Dolphins - Futebol Americano NFL Pick6
O Dolphins não tem um quarterback decente desde Dan Marino. Será que Ryan Tannehill é a solução? (AP Photo)

O Miami Dolphins ano passado teve um começo muito ruim perdendo os 7 primeiros jogos, mas depois disso ganhou 5 das últimas partidas. Muitos desses jogos foram decididos no minutos finais quando Miami estava na frente e sofria a virada. O ataque não jogou mil maravilhas, mas a defesa manteve o time em jogo durante algumas partidas.

A defesa do Dolphins não é ruim. Cameron Wake e Pauli Soliail são dois bons jogadores no front 7. Vontae Davis é bom cornerback, mas que costuma dropar muitas interceptações. Kevin Burnett e Karlos Dansby são dois linebackers respeitáveis. Conseguindo melhorar a posição de safety e colocando um linebacker ou um defensive end que consiga pressionar o quarterback, a defesa de Miami tem tudo para parar muitos ataques adversários.

O problema do Dolphins definitivamente não foi a defesa, e sim o ataque. O ataque muitas vezes parecia inepto. Penava para conseguir first downs ou algumas jardas, e devolvia a bola muito cedo para o adversário não dando tempo da própria defesa descansar. O jogo corrido do time não é ruim, Daniel Thomas e Steve Slaton seguram bem a onda, e Reggie Bush é um boa arma no ataque aéreo também. Realmente é esse ataque aéreo que deixa a desejar. O QB Matt Moore não jogou mal no fim da temporada, mas o problema é que ele não é um quarterback que faz a diferença. Ainda mais com um time sem muitos alvos. Brandon Marshall era o melhor WR do time, mas é extremamente inconstante e agora foi trocado para o Bears. Davone Bess e Brian Hartline não tem condições de ser WR1 na liga, e mesmo com a chegada de Legedu Naanee, B.J. Cunningham e Rishard Matthews o Dolphins não terá um wide receiver principal em seu elenco. O TE Anthony Fasano é a única arma na posição, que pode ser fortalecida com a chegada do rookie Michael Egnew. A linha ofensiva tende a melhorar com a chegada de Jonathan Martin pro lugar de Marc Colombo. Jonathan Martin, Jake Long e Mike Pouncey podem formar uma das melhores linhas da liga.

Miami selecionou o quarterback de Texas A&M Ryan Tannehill na oitava escolha do draft desse ano para ser o seu QB do futuro. Provavelmente nesse ano Tannehill não conseguirá nada demais, já que o Dolphins não tem um corpo de WRs diferenciado. Ainda mais que Ryan só teve 20 partidas na carreira jogando na posição (ele era wide receiver antes). Ele ainda é um projeto e vai precisar de tempo para aprender todos os macetes da posição. Espero que Miami tenha feito a coisa certa, e tenha achado seu franchise depois de tantas tentativas. O último QB de peso do Phins foi Dan Marino, e isso faz muito tempo. Vamos torcer para que o Miami Dolphins tenha feito a decisão certa dessa vez.

Siga-nos no Twitter @NFLPick6
Visite a primeira Timeline Brasileira do Futebol Americano da NFL no facebook do NFL Pick6

Leave a Comment